COVID-19: Reabertura das instalações da Ferticare

A pandemia COVID-19 determinou o encerramento dos centros públicos e privados em Portugal e no mundo. Esta decisão foi tomada por precaução, seguindo recomendações nacionais (SPMR) e internacionais (ESHRE).

Sabemos que os tratamentos de PMA não podem, de maneira alguma, ser protelados indefinidamente, enquadrando-se, em alguns casos, inclusive em situações urgentes. Por este motivo, e de forma cautelosa, as mesmas sociedades emitiram comunicados recomendando a reabertura dos mesmos centros (SPMR; ESHRE) de forma gradual e em moldes que permitam um equilíbrio com a segurança que pretendemos para profissionais e utentes.

A Ferticare, a partir do próximo dia 04 de maio, irá retomar, de forma gradual e progressiva, a atividade suspensa devido à pandemia de COVID-19. 

Encontra-se a ser implementado um conjunto de medidas de segurança, higiene e proteção adequadas aos nossos pacientes e aos nossos profissionais, nomeadamente, o rastreio de febre e despiste de sintomas, a utilização obrigatória de máscaras dentro das instalações, assim como, a reorganização da marcação e dos tempos de consulta e exames de forma a garantir o adequado distanciamento social. 

Encontramos-nos, assim, empenhados em proporcionar um ambiente seguro para que os nosso pacientes possam recorrer, com confiança, aos cuidados de saúde que necessitam.

 Pode ler aqui o comunicado da Sociedade Portuguesa de Medicina da Reprodução, que resume a situação atual e recomendações em relação às técnicas de Procriação Medicamente Assistida em Portugal.

COVID-19 – Encerramento temporário

Para proteção dos seus utentes, funcionários e público em geral, a Ferticare encontra-se encerrada temporariamente, no contexto da atual pandemia internacional COVID-19.

Estamos disponíveis para esclarecimentos e assuntos urgentes pelos contactos habituais:

  • Tel: 253004474
  • Tlm: 927469137
  • geral@ferticare.pt

Pautando pela excelência de serviço que nos caracteriza e continuidade de cuidados, garantimos no entanto apoio às nossas utentes em situações urgentes, a avaliar caso a caso.

O encerramento prevê-se até ao final de Março e será reavaliado conforme a evolução do panorama do país.

Os nossos profissionais de saúde continuam a trabalhar no combate a esta pandemia, dedicando os seus esforços, como muitos milhares por todo o país, ao SNS, para que ninguém fique sem os cuidados de que venha a necessitar.

Faça a sua parte: mantenha-se seguro, se possível em casa; redobre os cuidados de higiene, sobretudo com as mãos; siga as recomendações das autoridades de saúde.

I Jornadas da Maternidade

Uma iniciativa de Coisas de Mamã, as jornadas de maternidade visam dar ao público uma visão geral de vários temas relacionados com a parentalidade nas suas várias etapas.

A Ferticare associa-se a este evento apresentando três temas importantes:

A Dra. Isabel Reis vai abordar a problemática da doação de gâmetas em Portugal, no âmbito da campanha da SPMR Dá vida à esperança. Será sobretudo abordada a forma de ajudar milhares de casais e mulheres no país.

Seguidamente o Prof. Doutor Ricardo Santos irá fornecer uma série de informações importantes acerca da otimização da fertilidade. Serão abordados vários aspetos, como o período fértil, critérios e causas de infertilidade, etc.

A Dra. Vânia Fernandes irá posteriormente abordar a temática das emoções na fertilidade e infertilidade.

O evento terá lugar no Auditório da escola Francisco Sanches em Braga no dia 25 de Maio. Apesar da inscrição ser gratuita, a mesma é obrigatória (253 615 239; 912 283 666; geral@coisasdemama.pt)

Ferticare nas III Jornadas Galaico Portuguesas de Reprodução Assistida

As Jornadas Galaico Portuguesas de Reprodução Assistida vão na sua terceira edição. O Evento bienal conta com participação de Médicos, Embriologistas e outros profissionais ligados à Medicina da Reprodução em Portugal e Espanha, numa partilha de conhecimento que a todos beneficia.

Neste palco são discutidos temas atuais, tendo sido este ano focados, a par dos importantes avanços nas técnicas de reprodução assistida, os aspetos éticos e legislativos da PMA, bem como a carreira de embriologista, onde foram comparadas as realidades de ambos os países nestas matérias.

O evento teve lugar na Corunha, entre 1 e 2 de Fevereiro de 2019.

Prof. Dr. Ricardo Santos, Dra. Sofia Xavier, Dra. Sofia Dantas, Dra Isabel Reis nas III Jornadas Galaico Portuguesas de Reprodução Assistida
Dr. Ricardo Santos, Dra. Sofia Xavier, Dra. Sofia Dantas, Dra Isabel Reis
Dra. Sofia Dantas (Ferticare), acompanhada do Prof. Dr. Pedro Xavier
Rita Ramalho nas III Jornadadas Galaico Portuguesas de Reprodução Assistida
Dra. Rita Ramalho (Ferticare), ao centro, com Dra. Ana Sousa Ramos (esquerda) e Dra. Sabela García Oro (direita)

Ferticare e Instituto Jenner em Guimarães

A Ferticare associou-se ao recentemente inaugurado Instituto Jenner, no coração de Guimarães, na prestação dos melhores cuidados de saúde reprodutiva a esta população.

O instituto, que reúne variadas especialidades, conta também com a colaboração da Dra. Filipa Brás, especialista em Ginecologia/Obstetrícia, dedicada à medicina de reprodução, que irá aproximar ainda mais a Ferticare da cidade berço. Esta população poderá assim ter um diagnóstico e acompanhamento de (In)fertilidade em Guimarães, recorrendo à Ferticare, em momentos chave do tratamento, sempre com o mesmo acompanhamento personalizado, pela Dra. Filipa Brás.

Na sua missão de oferecer um serviço de procriação medicamente assistida de excelência, a Ferticare alarga assim as opções de acompanhamento e localização dos seus serviços.

Edifício HClínicas, Ferticare, Braga

Ricardo Santos e Ricardo Ramires nas Jornadas Internacionais de Andrologia Reprodutiva

O Prof. Doutor Ricardo Santos, em representação da SPMR, palestrou  sobre  o contexto legal em relação à Urologia/Andrologia nos centros de PMA. A mesa foi moderada pelo Dr. Ricardo Ramires, Andrologista também na Ferticare, nas II Jornadas Internacionais de Andrologia Reprodutiva.

As jornadas tiveram lugar nos dias 14 e 15 de Setembro de 2018 no Centro de Reabilitação do Norte, em Vila nova de Gaia. Contaram com mais de 150 inscrições, numa plateia diversa de urologistas e andrologistas de Portugal e Espanha, bem como ginecologistas, embriologistas, endocrinologistas, psicólogos e outros profissionais da área da medicina da reprodução.

Ricardo Santos

Ricardo Ramires (esquerda) e Jorge Braga

 

ARTcare – software para a PMA

Nas XXXVI Jornadas Internacionais de Medicina da Reprodução, um evento organizado pela SPMR, foi apresentado o ARTcare, um software que está a ser desenvolvido em Portugal para a PMA. Este tem o intuito de beneficiar todos os pacientes de todos os centros públicos e privados portugueses, ao melhorar a segurança, rapidez, fiabilidade e acessibilidade aos tratamentos.

O Prof. Doutor Ricardo Santos, que está encarregue da conceção e desenvolvimento do programa, apresentou-o numa sessão do evento.

Ricardo Santos nas Jornadas de Medicina da Reprodução

O que é o ARTcare

O ARTcare pretende dar resposta às dificuldades e desafios inerentes à atividade em PMA.

Está a ser desenvolvido tendo os pacientes como principais beneficiários. Quer isto também dizer que tudo o que possa melhorar a atividade de uma clínica deve, em última análise, melhorar os resultados, a segurança e bem estar dos pacientes. Assim, estão previstas um conjunto de funcionalidades que permitam tratamentos mais seguros, com menos papel, e mais próximos das reais necessidades dos utentes e dos profissionais.

Segurança em primeiro lugar

A segurança dos beneficiários de tratamentos e dos seus dados é algo há muito consagrado na lei e na atividade das clínicas de PMA, que seguem um conjunto de regulamentos próprios que fortalecem estas obrigações legais.

A segurança dos dados não se prende apenas com a sua confidencialidade. Importa igualmente a sua disponibilidade (presentes quando deles precisa o(a) paciente),  integridade (estarem corretos, legíveis e inequívocos) e mesmo rastreabilidade (quem usou, quem modificou e quando). Estes princípios gerais são raras vezes contemplados em plenitude, especialmente com o uso do papel.

Tratamentos mais próximos das pessoas

Sendo a conceção e desenvolvimento coordenados por um médico (Ricardo Santos), e sob a alçada da SPMR, que será detentora do programa e dos direitos de distribuição, pretende-se que todos possam beneficiar e dar o seu contributo para uma ferramenta o mais completa possível.

Esta proximidade dos profissionais leva a uma maior proximidade dos utentes, estando previstas uma série de funcionalidades para minimizar as dificuldades sentidas no decurso de todo o processo de PMA, e sobretudo nos tratamentos.

Versão inicial em menos de um ano

A primeira versão do programa espera-se que possa ser apresentada, após testes, em menos de um ano.

 

Ricardo Santos no eHealth Summit

A edição 2018 do Portugal eHealth Summit decorreu de 20 a 23 de Março em Lisboa. A cimeira contou com o alto patrocínio da Presidência da República e registou 13.000 participantes no local e 22.000 em streaming.

O Prof. Doutor Ricardo Santos palestrou numa das sessões, num painel de debate sobre a temática das dificuldades de quem não usa papel para prestação de cuidados de saúde. O tema está relacionado com a vontade nacional de reduzir/eliminar o papel no SNS.

Ricardo Santos no eHealth Summit

Registos eletrónicos

Os registos eletrónicos são o futuro. Mas várias dificuldades se colocam quando transitamos de um paradigma baseado em papel para um descentralizado, baseado em computadores e documentos digitais. Um dos principais é a segurança, que pode ser muito alta, mas em que uma falha pode ser bem mais problemática do que com registos físicos.

Riardo Santos no eHealth Summit

Desafios dos registos de saúde eletrónicos

Uma verdade que temos de aceitar e precaver é que os computadores e o acesso permanente à rede global tiveram uma penetração no nosso dia-a-dia muito mais rápida do que o conhecimento geral sobre os seus perigos. Muitos sabem usar um smartphone, mas poucos cumprem os requisitos de segurança básicos, seja no dispositivo, seja online. Isto levou a quebras de segurança a nível internacional, que se fizeram notar também no nosso país.

Daí que iniciativas como esta sejam fundamentais, para alargar a discussão de temas fulcrais para o futuro a todos os profissionais envolvidos, de forma a trazer melhores cuidados, e mais seguros, para os doentes.