Ricardo Santos no eHealth Summit

A edição 2018 do Portugal eHealth Summit decorreu de 20 a 23 de Março em Lisboa. A cimeira contou com o alto patrocínio da Presidência da República e registou 13.000 participantes no local e 22.000 em streaming.

O Prof. Doutor Ricardo Santos palestrou numa das sessões, num painel de debate sobre a temática das dificuldades de quem não usa papel para prestação de cuidados de saúde. O tema está relacionado com a vontade nacional de reduzir/eliminar o papel no SNS.

Ricardo Santos no eHealth Summit

Registos eletrónicos

Os registos eletrónicos são o futuro. Mas várias dificuldades se colocam quando transitamos de um paradigma baseado em papel para um descentralizado, baseado em computadores e documentos digitais. Um dos principais é a segurança, que pode ser muito alta, mas em que uma falha pode ser bem mais problemática do que com registos físicos.

Riardo Santos no eHealth Summit

Desafios dos registos de saúde eletrónicos

Uma verdade que temos de aceitar e precaver é que os computadores e o acesso permanente à rede global tiveram uma penetração no nosso dia-a-dia muito mais rápida do que o conhecimento geral sobre os seus perigos. Muitos sabem usar um smartphone, mas poucos cumprem os requisitos de segurança básicos, seja no dispositivo, seja online. Isto levou a quebras de segurança a nível internacional, que se fizeram notar também no nosso país.

Daí que iniciativas como esta sejam fundamentais, para alargar a discussão de temas fulcrais para o futuro a todos os profissionais envolvidos, de forma a trazer melhores cuidados, e mais seguros, para os doentes.

Curso de avaliação do casal infértil

A Escola de Medicina da Universidade do Minho está a organizar a segunda edição do curso de avaliação e orientação do casal infértil, de 22 a 23 de Junho deste ano. Este curso, que conta novamente com as colaborações da Dra. Isabel Reis como membro da organização e do Prof. Doutor Ricardo Santos como um dos docentes, é dirigido a profissionais de saúde com interesse nesta área, nomeadamente Médicos de Família e Ginecologistas Obstetras.

Prof. Doutor Ricardo Santos e Dra. Isabel Reis

Formação especializada

O aumento que se tem vindo a verificar no número de casais com infertilidade leva à necessidade de atualizar, de forma prática, os conhecimentos nesta área entre os médicos que primeiro contactam com o problema.

O sub-diagnóstico de problemas médicos que  condicionam ou aumentam o risco de infertilidade, aliados a uma referenciação tardia para ajuda especializada agravam este problema, já de si grave e causador de grande ansiedade nos casais.

O objetivo deste tipo de iniciativa não é de formar especialistas na área, mas antes de relembrar e dar a conhecer o estado da arte no estudo do casal com infertilidade, de forma a ajudar os médicos não ligados à Procriação Medicamente Assistida a cada vez melhor estudarem e orientarem os seus casais.

O tempo conta

Tendo em conta o constante aumento, nas últimas décadas, da idade da mulher para o primeiro filho e o fato dessa mesma idade ser  um dos principais determinantes do sucesso em tratamentos (se não o mais importante), torna-se fundamental reconhecer e orientar rapidamente um diagnóstico de infertilidade.

Formação é fundamental

A especificidade da procriação medicamente assistida, nomeadamente a complexidade das técnicas e a diferenciação exigida na área levam a uma constante atualização das melhores práticas. A Ferticare junta-se a outras instituições públicas e privadas neste propósito, de partilha de conhecimentos e contributo para o avanço científico, para benefício dos pacientes.

Ferticare – novas instalações

Ferticare, Medicina Reprodução BragaFaz neste mês um ano que a Ferticare mudou as suas instalações! O edifício, novo, situa-se numa zona privilegiada de Braga, com excelentes acessos e estacionamento.

Desde 2006 que a Ferticare presta cuidados de Medicina Reprodutiva e realiza tratamentos de Procriação Medicamente Assistida. A procura dos nossos serviços tem vindo a aumentar consistentemente, algo que temos a agradecer à confiança que os colegas depositam em nós e aos nossos pacientes, que são também eles fonte de novas referenciações à clínica.

A todos os que estiveram connosco durante este ano, e desde 2006, o nosso muito obrigado!